Boxer

          

Tamanho: 25  – 32kg, 53 – 63cm

Cuidados  com a pelagem: fácil

Adestramento: médio

Cores: fulvo e branco, fulvo, tigrado, ocasionalmente branco

                           

                A  mais alta das raças de cara achatada (braquicefálicas), o boxer é um cão que  nunca envelhece. São animados, cheios de energia e não têm medo de correr  riscos. Porém, os machos podem ser desconfiados e cautelosos com estranhos. O  mantra do boxer típico é “eu quero só diversão”. É uma raça para famílias  ativas e um magnífico companheiro para crianças pequenas, porque é em  pensamento e atitude, semelhante a uma criança de três anos. Apesar da  aparência, do tamanho e dos músculos tornarem-no apto a proteger a casa, este  cão é sempre meigo com crianças.

                Os  boxers foram criados na Alemanha, provavelmente de brabant bullenbeisser (bullbiter) da Bélgica e cães semelhantes  da região de Danzig. Raças da Baviera foram usadas na criação original e talvez  até o buldogue inglês. Na virada do séc. XX, já eram o que são hoje. Ninguém  sabe ao certo como surgiu o nome “boxer”.

                Há  sérios problemas de saúde na raça, que levam a uma expectativa de vida menor  que a média.

                Alguns  países ainda praticam a caudectomia, levando a abanos de cauda bem velozes e  subseqüentes alterações nas vértebras ao redor do osso sacro, normalmente  dolorosas. Câncer de pele ocorre com maior freqüência em boxers do que em  outras raças e também é muito comum uma doença cardíaca, a cardiomiopatia  dilatada.       
           

Boxers  brancos


            Existem  boxers brancos desde o surgimento da raça. Quando o clube alemão do boxer baniu  o registro dos cães brancos, em 1925, outros clubes mobilizaram-se para reduzir  a quantidade destes. Em muitos países, hoje filhotes brancos podem ser  registrados, mas não participam de exposições. Nos EUA, boxers com mais de um  terço do corpo branco não se qualificam para exposições. Infelizmente, os cães  total ou predominantemente brancos são mais suscetíveis à surdez.